segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Guy de Maupassant - O Crime do Padre Bonifácio


Fazia um bom tempo que não lia em francês, estava totalmente por fora da literatura francesa. Resolvi então pegar um dos meus livros, que não tinha lido ainda, e voltar a meus tempos de faculdade.
Esse livro tem uns dos principais contos de Guy de Maupassant.



1º Conto: O Crime do Padre Bonifáce

Naquele dia, o carteiro Bonifácio, ao deixar a casa, assinalou que sua viagem será mais curta que o habitual, e sentiu uma profunda alegria. Ele foi o responsável pela zona rural ao redor da aldeia de Vireville, e quando ele retornou à noite, não muito cansado, às vezes era mais de sessenta quilómetros nas pernas.

Então a distribuiçao seria rápida ; Como a distribuição seria feita em breve, ele pode até passear um pouco e ir para casa às três horas da tarde. Quelle chance ! Que sorte!

Il sortit du bourg par le chemin de Sennemare et commença sa besogne. Ele deixou a aldeia por meio de Sennemare e começou o seu trabalho. On était en juin, dans le mois vert et fleuri, le vrai mois des plaines. Foi em junho, mês em verde e florido, as planícies mês verdade.

O homem, vestido com a sua blusa azul e usando um boné preto com listras vermelhas, atravessada por caminhos estreitos campos de canola, aveia ou trigo, enterrado até os ombros em culturas, e sua cabeça, passando por cima das orelhas, parecia flutuar sobre um mar calmo e uma leve brisa verde foi suavemente ondulado.

Ele entrou na empresa através da barreira de madeira plantada na encosta sombreada por duas fileiras de faias, e saudando-o pelo nome do agricultor: "Olá, Maitre Chicot", ele esticou o jornal "Le Petit Normand. O agricultor limpou a mão na calça de fundo, recebeu o papel e colocou em bolso para ler em seu tempo livre após o almoço. O cão, alojados em um barril, debaixo de uma macieira inclinada, latindo furiosamente puxando em sua cadeia, e um pedestre, sem olhar para trás, voltou, seu porte militar, esticando suas longas pernas, braço esquerdo em sua saco, e as manobras direita na bengala que ele andou continuamente e pressionado.

Ele distribuiu suas impressões e suas cartas na aldeia de Sennemare, em seguida, partiu novamente através dos campos para trazer a carta de coletor que vivia em uma pequena casa independente de uma milha de distância da cidade.

Foi um coletor novo, o Sr. Chapatis, chegou na semana passada, e recentemente se casou.

I Ele recebeu um jornal de Paris, e às vezes o fator Bonifácio, quando tinha tempo, lançar um olhar sobre o impresso antes de entregar ao destinatário.

Então, ele abriu sua bolsa, tirou o papel, saiu de sua banda, desdobrou-o e começou a ler enquanto caminhava. A primeira página não interessa, a política deixou frio e ele estava sempre as finanças, mas vários fatos era apaixonado.

Eles eram muito pesado naquele dia.Foi movido muito rapidamente se a história de um crime feito na casa de um guarda florestal, ele parou no meio de um patch de trevo, para reler lentamente. Detalhes foram terríveis. Um madeireiro na manhã indo para a casa da floresta, havia notado um pouco de sangue na porta, como se alguém tivesse sangrado pelo nariz. "O guarda que matou alguns coelhos naquela noite", pensou ele, mas como eles se aproximaram, ele notou que a porta ficou entreaberta eo bloqueio havia sido quebrado.

Então, tomado de medo, ele correu para evitar que o prefeito da aldeia, que tomou como reforçando o policial e o professor, e quatro homens chegaram juntos. Eles encontraram a floresta antes que o fogo morto, estrangulado sua mulher sob a cama, e sua filha, com idades entre seis, sufocada entre os dois colchões.

O fator Bonifácio ficou tão animado com a idéia do assassinato de todas as circunstâncias terríveis que apareceram em rápida sucessão, ele sentiu uma fraqueza nas pernas, e ele falou em voz alta:

Não, ainda existem pessoas que são escumalha!

Em seguida, passou o papel em seu cinto de papel e de esquerda, a cabeça cheia de visão do crime. Ele logo chegou à residência do Sr. Chapatis ele abriu o portão do jardim e se aproximou da casa. Era um prédio baixo com um piso térreo, encimada por um telhado de mansarda. Ele estava longe de quinhentos metros abaixo da casa mais próxima.

O fator escalou dois passos, pôs a mão sobre o bloqueio, tentou abrir a porta e encontrou-se fechada. Então ele notou que os flaps não tinha sido aberta, e essa pessoa ainda estava naquele dia.

A preocupação veio porque o senhor Chapatis, desde a sua chegada, levantou-se cedo. Bonifácio tirou o relógio. oi apenas dez minutos past sete da manhã, ele estava tão à frente de quase uma hora. Não importa, o coletor deve ter sido em pé.

Então, ele andava pela casa, andar com cautela, como se ele correu qualquer risco. Ele não percebeu nada de suspeito, que nenhum homem em uma cama de morangos.

Mas, de repente, ele ficou imóvel, paralisada com a ansiedade, passando por uma janela. Eles gemiam na casa.

Ele aproximou-se de passagem e tomilho, pressionou o ouvido contra o dossel, para melhor ouvir, certamente nós gemeu. Ele ouviu muito bom a longo suspiro doloroso, uma espécie de chocalho de controle de ruído. Em seguida, o choro tornou-se mais forte, mais acentuada repetida novamente transformado em gritos.

Então Bonifácio, não tendo dúvidas de que um crime foi realizado durante esse tempo, o coletor, fugiu, de volta todo o jardim, pulou a planície, através de colheitas, funcionando fora do ar, sacudindo a bolsa que ele bateu os rins, e chegou, exausto, ofegante , desassossegado na porta da polícia.

Brigadeiro Malautour consertar uma cadeira quebrada com um martelo e pregos. Constable Rautier realizada entre as pernas e móveis danificados tinha um prego na beira do intervalo, para que o sargento, mastigando o bigode, os olhos redondos e atenção molhado, bateu todos os golpes nos dedos de seu subordinado.

O carteiro, quando os viu, exclamou:

- Vem depressa, ele mata o coletor, rápido, rápido!

Os dois homens pararam seus trabalhos e olhou para cima, surpreendeu a cabeça das pessoas que surpreender e perturbar.

Bonifácio, vendo mais surpreso quando espremido, repetiu:

Rápido! Depressa casa, ouvi os gritos.

O sargento, colocando o martelo no chão, perguntou:

- O que lhe deu conhecimento desta situação?

Factor disse:

- Eu estava usando o papel com duas letras quando notei que a porta estava fechada e que o coletor não foi levantada. Eu andava pela casa, para eu perceber, e eu ouvi alguém gemer como se alguém tivesse estrangulado ou que ele tinha cortado a garganta, então eu fui o mais rápido possível para você pesquisa. É nesse momento.

O brigadeiro disse:

- E você não salvou a pessoa?

O fator respondeu:

- Eu estava com medo de não ser em número suficiente.

Então o policial, satisfeito, anunciou:

- Hora de vestir-me e eu sou.

E entrou na delegacia de polícia, seguido pelo soldado que levou o presidente.

Eles reapareceram quase imediatamente, e os três partiram, a dupla para a cena.

Chegando perto da casa, que diminuiu seu ritmo, como precaução, e do sargento sacou a arma, então entrou suavemente no jardim e se aproximou do muro. Não há provas que sugerissem que os criminosos foram embora. A porta permaneceu fechada, as janelas fechadas.


Pai de Bonifácio, tremendo de emoção, o fez ir por outro caminho, e mostrando-lhe um dossel:

- Isso, disse ele.

E o sargento andou sozinho, e apertou-lhe a orelha contra a placa. Os outros dois esperavam, prontos para qualquer coisa, os olhos fixos nele.

É muito tempo permaneceu imóvel, escutando. Para chegar mais perto de sua cabeça componente da madeira, ele tirou o chapéu e segurou sua mão direita.

O que ele quis dizer? Seu rosto impassível não revelou nada, mas de repente seu bigode ondulado, o rosto enrugado como um riso silencioso, e mais uma vez que atravessam a fronteira de buxo, ele voltou para os dois homens que o viam com perplexidade.

Então ele lhes fez sinal para segui-lo andar na ponta dos pés e, voltando para a entrada, ele ordenou Bonifácio para deslizar sob o jornal porta e letras.

O fator, proíbe, no entanto humildemente obedeceu.

- E agora, no caminho ", disse o brigadeiro.

Mas uma vez que tinha passado o portão, ele se transformou em um pedestre, e um escárnio, zombaria dos lábios, olhos brilhantes e rolou com alegria

- Se você é uma inteligente, você!

O velho perguntou:

— De quoi ? - O quê? j'ai entendu, j'vous jure que j'ai entendu. Eu ouvi, eu juro que ouvi.

Mas o policial, não mais e desatou a rir. Ele riu como asfixia, as mãos sobre o estômago, dobrou, os olhos cheios de lágrimas, com caretas horríveis ao redor do nariz. E os outros dois, apavorado, olhou para ele.

Mas como ele não conseguia falar nem parar de rir, não entendo o que ele tinha, ele fez um gesto, um gesto de brincadeira popular.

Como não compreendem sempre, ele repetiu várias vezes, apontando para a casa de assentimento ainda fechados.

E o soldado, incluindo uma virada súbita, quebrou uma grande alegria.

O velho aturdido entre esses dois homens se contorcendo.

O sargento, finalmente se acalmou, e atirar na barriga de uma grande bofetada de idade de um homem que ri, ele gritou:

Ah! Ah!, vou manter o crime ao padre Bonifácio!


- Juro que ouvi.

O sargento riu de novo. Sua policial sentado na grama da vala para dobrar o seu lazer.

E sua esposa, é como que assassiná-lo, hein, meu velho?

- Minha esposa? ...

E começou a pensar muito e, em seguida, ele continuou:

Aí o sargento, num delírio de alegria rodopiou como uma boneca pelos ombros e sussurrou em seu ouvido algo que o outro ficou estupefato espanto.

Então o velho murmurou, pensativo:

Não ... não é assim ... não é assim ... não é assim ... eu nunca pensei que seria possível ... se ... você teria jurado um mártir ...

E, confuso, perplexo, envergonhado, ele retomou o seu caminho através dos campos, enquanto o policial eo sargento, ainda rindo e gritando muito.

3 comentários:

Ju Haghverdian disse...

Uiii, tu transcreveu o conto todo??? resuminho basico ajudaria!!! hehehe
;)


bjos

Cristiane Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristiane Fernandes disse...

a Tradução está meio estranha. Mas pelo o que eu entendi, ao invés de ter ocorrido um crime, o casal estava fazendo sexo...por isso o motivo dos gemidos sfsidjfisdjf
Comenta no meu novo blog. beijos.